terça-feira, 24 de julho de 2012

Resenha: Micaela&Maire 1º Livro de Extras de Guardians


"A minha consciência tem milhares de vozes,
E cada voz traz-me milhares de histórias,
 E de cada história sou o vilão condenado."
William Shakespeare




Se eu tivesse que definir o livro Micaela&Maire de Luciane Rangel em apenas uma palavra, ela seria CULPA.


Sim, culpa.

“Por quê?”, você me pergunta.

Bom, acredito que foi a maturidade que me deu essa visão...

Conheço a história das guardiãs de Libra e Gêmeos desde os primórdios, enquanto ela ainda estava sendo criada. As duas personagens de Guardians, que desde o começo causaram muita polêmica, foram motivo de olhares feios para o texto de Luciane Rangel várias vezes.

Micaela e Maire são gays. Lésbicas. Sapatas. Ou dê a elas a definição que quiser. Afinal, eu já vi as duas serem chamadas por diversos nomes durante os anos. Mas, saiba que, acima de tudo, elas são dois seres humanos que se amam, que se respeitam, e que nasceram para ficarem juntas. Independente da sua visão - liberal ou preconceituosa - esse fato é imutável.

Lembro-me como se fosse ontem a primeira vez que li uma cena delas. Mauricio – o guardião de Touro – encantado pela ruiva Maire começa uma tentativa fracassada de flerte, quando é interrompido pela geminiana, e descobre o envolvimento romântico de ambas.
Luciane Rangel

Nos anos que se seguiram de acompanhamento de Guardians, eu li diversas vezes alguns leitores tentando fazer Luciane desistir desse casal. Fracassaram todas as tentativas. Porque o numero de haters de Mic e Maire era bem inferior as suas Lovers.

Mesmo quem podia torcer o nariz, acabava tendo que admitir que as duas personagens se amavam tanto que qualquer chance de não terminarem juntas era ridícula. 

E com tanto sucesso, eu sempre imaginei que Luciane Rangel acabaria escrevendo a história solo delas. Esse Flashback acontece em “Micaela&Maire” onde vocês podem entender como elas se conhecem, como descobrem que o destino às uniria – senão ali, anos mais tarde quando fossem chamadas para serem guardiãs – e também em como o desejo – e posteriormente o amor – surgiu arrebatador, transformando-as.

Um dos pontos fortes do livro é a construção dos personagens principais. Mic e Maire são inteiramente projetadas de uma forma que você consegue visualiza-las enquanto lê. E não poderia existir personagens mais opostos. Religião, convicções, gostos musicais e até a maneira de encarar a vida, colocam Micaela e Maire em lados opostos da existência. Contudo, algo mais forte acaba as aproximando.

Luciane Rangel tem extremo bom gosto em descrever as cenas mais ousadas (leia-se cenas de carinho). Mas, é após elas que a gente percebe os motivos de eu começar a resenha falando em culpa. A personagem Micaela admite que apesar das noites incríveis, os dias são carregados de uma sensação estranha, beirando ao constrangimento. E a loira mal consegue chamar o relacionamento delas de namoro.

Aqui sentimos o banho de realidade enfrentado pela maioria dos casais Gays. Como admitir uma relação em que – às vezes por legitima segurança precisa ser mantida em sigilo? E como evitar o ciúme corrosivo? As duvidas a cerca da própria sexualidade?

O lance familiar também é trazido à tona. Ao ler a descrição da reação da família de ambas, senti-me como se estivesse relendo as muitas reações dos familiares dos meus inúmeros amigos homossexuais:

“Eles acham que estou doente e que preciso de um psiquiatra para me curar. Minha mãe foi um pouco mais compreensiva, apesar de deixar claro que não aceita a minha conduta. Já o meu pai me proibiu de voltar para Madrid. Disse que se eu saísse de casa, não precisava mais voltar.”

“A filha que eu amava morreu para mim. Eu prefiro uma filha morta a uma filha... lésbica!”




Enfim, a obra extra de Luciane Rangel é uma joia ao público em geral. Um livro carregado de sentimento, onde a autora se doa de todass formas possíveis. 

Espero sinceramente e profundamente que ele alcance o sucesso de Guardians. Merece. Infinitamente, merece.

Josiane Veiga
Amiga e fã da Lucy! 


Fique por dentro das novidades

2 comentários:

Suellen disse...

Bem coo eu só li o primeiro da trilogia posso dizer que gostei do casal e torço muito para elas ficarem juntas. Um dia terei a oportunidade de ler essa obra paralela. Mas sinceramente o povo tem que meter a colher e outras coisas na vida dos outros. Eu até as entendo mesmo não tendo um relacionamento lésbico, pois qualquer coisa que você faça todos colocam defeitos e até entendi isso, mas puxa é a minha vida e eu sei o que faço, mas não todo mundo quer colocar o dedo. Eu as vejo assim como se ninguém ficasse feliz por elas estarem felizes da maneira delas e... Acho que de escrever.


Beijos!

Luciane Rangel disse...

Termino de ler a resenha com os olhos transbordando. Que coisa linda, amiga!

Meus personagens são meus xodós... Todos! Os bons, os maus... e amo também cada um dos meus casais. Mas aquele filho que "dá mais trabalho" sempre é olhado por nós com um pouco mais de atenção e carinho, né? É o caso dessas minhas meninas, meu maior desafio como escritora e que me enchem tanto de orgulho, por eu conseguir, através delas, passar a verdade de seus sentimentos. E eu sabia, também, que nenhum outro escritor conseguiria compreender isso melhor do que você, amiga.
Fico imensamente emocionada por suas palavras, além do seu apoio de sempre.
Beijos e infinitamente obrigada!