quarta-feira, 24 de junho de 2015

Literatura Nacional - Autores que não leem?



Nesse último ano, ajudei a novos autores que surgiram no mercado literário a encontrar seu lugar ao sol. Acabei de me tornando conselheira de vários, e estou me esforçando para desempenhar bem o papel. 


Como sempre os conselhos são os mesmos, decidi fazer esse post, para tentar resumir basicamente o que eu ando espalhando pela web. 


Em primeiro lugar: Meu Deus do céu! Cadê os livros de vocês, autores? Não... não os que vocês escrevem... Cadê os livros que vocês leem?


Ernest Hemingway foi um grande nome da literatura mundial. Autor de livros como “O Velho e o Mar” e “Adeus às Armas” ele firmou-se como um escritor lendário, de personalidade forte e de uma habilidade técnica que faz com que seu nome, anos após sua morte (ele se suicidou em 1961), ainda seja reverenciado.


Conta-se que, certa vez, um jovem escritor o procurou. Desejoso em buscar sábios conselhos, foi surpreendido por Ernest que, ao contrário do que esperava o jovem escritor, não lhe deu “passos a seguir” para a criação de obras e, sim, lhe apresentou mais de uma dezena de livros para o que o rapaz lesse.


Em 2015, parece chover no molhado dizer que um autor deve ler. Mais que isso, deve ler obras realmente boas, clássicos. Contudo, surpreendentemente, eu descobri que a maioria dos jovens autores de hoje não só não leem com regularidade como também não se importam com isso.


Cursos de oficinas literárias despontam em todo o país. Não dizem, mas dão a entender uma promessa vã de que vão ensinar qualquer um a ser um autor. É basicamente como criar uma escolinha de música e prometer formar jovens Wolfgang Amadeus (mais conhecido, Mozart). De fato, podem formar aspirantes, mas escritores de verdade, nascem com o dom e só o desenvolvem após dedicação intensa a literatura. Nenhuma faculdade te ensina isso. Existem pencas de gênios que não estudaram por N motivos.


Ler fics no Wattpad não forma autores. Até porque, uma visualizada rápida lá, e se percebe que boa parte dos autores não sabe sequer estruturar um texto. Ah, vão me xingar ou se ofender, mas só estou dizendo a verdade. Literatura contemporânea estilo 50 tons não forma autores, igualmente. É apenas diversão. 


Está faltando formação e bagagem literária, está falando estruturação de texto, formato, consistência, enredo e, acima de tudo, cognição. Não há como se desenvolver uma obra sem ardente aquisição de conhecimento do assunto a ser narrado. O mais absurdo detalhe faz toda a diferença. O que não falta, infelizmente, são históricos mitológicos em que a deusa grega bebe conhaque, sentada em um trono esplendoroso, enquanto manipula o mundo. Não seria nada demais, não fosse o fato de que o conhaque foi criado no século XII e não poderia estar presente na mitologia grega.


Sentiram? Detalhes... detalhes...


Se eu pudesse indicar livros, gostaria de dizer alguns que me ajudaram e ainda me ajudam na minha caminhada:



— Musica ao Longe – Erico Verissimo

Verissimo dá uma aula de como contar a história de uma cidade do interior. Indicaria ler todos os livros que componhem a familia Albuquerque, mas esse é especial porque serve para qualquer autor que busca conhecimento em como descrever a vida em qualquer lugar. 





— Cenas de uma vida minúscula - livro tão criticado do meu amado - e amargo - Moacyr Scliar. 

Entenda o que é ter coragem ao escrever um livro. Não basta enfiar sexo, paus, bucetas, mortes ou o que for. Tem que enfiar tudo isso com classe. 



— Cabeça de Trovão - Douglas Preston, Lincoln Child

Essa dupla sabe como instigar um leitor. Com eles, você entenderá a importância dos detalhes. São eles que fazem a diferença.



— Demian – Herman Hesse

Li há mais de vinte anos e ele ainda faz meu coração bater apressado. Nenhum autor estrutura tão bem um personagem como ele. 





Mas, então, é isso? É só ler?

Não, é claro.

Nem todo bom leitor é bom autor. Porém, não existe um bom autor que não seja, antes, um bom leitor.



Leiam, leiam, leiam... e depois leiam mais. Pelamor de Deus, leiam.



Mais conselhos?


Não se ache a última bolacha do pacote porque achou editora. Hoje em dia editoras visam lucros. Se te ofereceram contrato, ou querem lucrar em cima de você porque seu livro é modinha, ou querem que você pague para publicar, e assim eles assumirem sua obra sem riscos.

Editora grande entrou em contato? Meu fraco conto "Traços" recebeu proposta de uma grande editora nacional a um símbolico custo de DEZESSEIS MIL REAIS a publicação.


Não se ache o caldinho do babalu porque tem livro. Cinco minutos em sites de auto-publicação e você verá que qualquer um que escreve “asim amiquinhos” também pode ter.


E, cara... aceite as críticas!


Críticos na web existem de monte. Alguns, fantásticos. No meu caso, um dos administradores do site Entre Homens (beijo Mac!) acabou se tornando uma mão na roda em matéria de me fazer crescer e me criticar construtivamente. Nunca o vi apontar algo em um livro que não fosse verdadeiro e real. Infelizmente, muitos autores não aceitam, porque autor é aquele bicho estranho que sempre acha que é a reencarnação do Machado de Assis e todo mundo tem que idolatrar.


Críticos sem formação nenhuma e só querendo aparecer, tem aos montes também. Vão falar uma enormidade de besteira para posar de intelectual porque não entenderam porra nenhuma do que você escreveu, afinal de contas, seu nível se deve apenas a livros de quinta, feitos exclusivamente para vender, sem nenhuma intenção de profundidade.  MESMO ASSIM, RESPEITE O QUE ELE DIZ.

Quando um leitor paga por algo seu, ele tem todo o direito de CAGAR em cima de sua obra e a você tem que aguentar. É assim que o barco anda.  

Um parêntesis:  já fui "criticada" no sentido pessoal com um comentário homofobico. Autor nenhum no mundo é obrigado a aguentar alguém em cima da sua posição sexual, financeira, racial, etc. Isso é outros quinhentos.



Outro conselho?


Sempre falo para o Tommy Adams – tenha foco.


Foco - É ter um objetivo, ser determinado a alcançar ou atingir uma meta, ter prioridade em fazer algo não desvirtuando para outro caminho. 


Se irá escrever algo importante, priorize aquilo. Desligue o celular, afaste-se da rede. Existem autores famosos que sequer usam internet quando estão escrevendo.





Enfim, era isso. Recado dado. Aproveite quem quiser.










3 comentários:

Tommy Adams disse...

Texto super valido. Realmente adorei o seu ponto de vista. E quanto ao foco, estou buscando me centrar apenas em um livro. Aos poucos vou conseguir me disciplinar quanto a isso *-*

Lorena Miyuki disse...

Vi essa postagem na timeline ontem e ia comentar, mas acabei não tendo tempo...
Mas finalmente alguma coisa boa de se ler!
Compartilharei em todos os cantos porque por mais que eu mesma fale e repita tudo o que você disse, e concorde, é sempre bom lembrar, né? Tem muita gente por aí precisando.

Josiane Veiga disse...

Queridos Tommy e Lorena. Tem mto talento aí se desperdiçando e enfraquecendo por falta de preparo. Tomara q o pessoal passe a frequentar mais as bibliotecas e compre mais livros de qualidade ♥